Em 23 de novembro de 2017 | Pastorais

Você já assistiu o filme “300 de Esparta”? O filme se passa no 5º Século a. C, mais precisamente entre os anos de 486 a 465 , quando reinou o imperador da Pérsia chamado Assuero, também conhecido por Xerxes I (ou Artaxerxes para os gregos). Filho de Dario I, Xerxes I guerreou contra os gregos em vingança à seu pai que perdera a Batalha de Maratona em 490 a.C. . Xerxes I comandou uma invasão épica à Grécia. Travou batalha sangrenta onde foi memorável a resistência dos atenienses e espartanos, retratada no filme. Mas Xerxes I foi também imperador sobre os judeus que viviam em seu reino, os quais haviam sido deportados de Israel para a Babilônia (agora Reino da Pérsia) ao longo de vários anos. As Escrituras nos contam a história desta relação.

Conta-nos o relato que certo dia Assuero, um déspota sentimental e impulsivo, durante um riquíssimo banquete que ele mesmo promovera, sob a influência do álcool e num ímpeto de vaidade, decidiu expor as belezas de sua esposa a todos os seus convivas. Surpreendentemente, a rainha Vasti recusou a submeter-se ao delírio do marido, o que levou Assuero, aconselhado pelos sábios e mestres da lei, a destituí-la da posição. É neste contexto, e na competição por uma substituta da rainha, que surge a judia Hadassa. Filha adotiva de Mordecai (na verdade também sua prima mais nova), Hadassa, também chamada por seu nome persa Ester, subiu ao trono e tornou-se rainha.

A história se desenrola numa trama mirabolante (vale a pena ler o livro de Ester), e nela surge um inimigo mortal do povo judeu, Hamã, o príncipe militar. Este, por soberba e vaidade, decide exterminar o povo hebreu da face do império persa. Hamã empreendeu toda uma estratégia para convencer Assuero de tal propósito. Mas pela soberania e providência divina, a rainha Ester, motivada por seu padrasto, e por um povo de joelhos e em jejum, intercedeu junto ao imperador, livrando o povo judeu do extermínio. O grande ponto da história é a Providência de Deus associada à ação do homem. Ester era a pessoa certa no lugar certo. O texto bíblico nos diz nos lábios de Mordecai: “quem sabe se para conjuntura como esta é que foste elevada a rainha?” (Es 4:14).

Queridos, tudo na vida serve a um propósito maior. Não há acaso. Como temos dito repetidas vezes, Deus rege a história. Creio que nosso senso de realização pessoal e felicidade só é alcançado plenamente quando nos fazemos a pergunta: “Quem sabe se para esta conjuntura Deus me colocou na família que tenho, no trabalho que desempenho, no grupo do qual faço parte, na igreja onde sirvo?” A vida é cheia de curvas e retas, altos e baixos, mas tudo serve aos propósitos do Soberano Senhor, dono da História e Senhor da vida. Nem sempre a manifestação de Deus fica tão evidente em nossas histórias. No livro de Ester, por exemplo, não há uma menção sequer do nome de Deus. Mas Ele regia cada evento com graça e misericórdia infinitos. Você já chegou a esta conclusão em sua própria história de vida?
Que Deus nos ajude a discernir seu plano com a sabedoria que Ele mesmo nos concede do alto.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho

Compartilhar