Pastorais
A segurança mora no andar de cima

13 de Abril de 2018

Queridos irmãos, creio que possa afirmar com certa precisão que diante do difícil quadro social que assola nossa cidade e estado, e por que não dizer país, vivemos todos, indistintamente, uma sensação de constante insegurança e medo diante da escalada da criminalidade. Para todo lado que olhamos vemos em maior ou menor intensidade as facetas da violência. Até mesmo em nossa própria rua dos Oitis temos testemunhado tais episódios. A despeito de tomarmos os devidos cuidados, e devemos fazê-lo se necessário até mudando nossas rotinas, por mais que possamos considerar tais sentimentos de medo e insegurança normais, há por detrás deles um risco enorme de desviarmos nosso coração a uma atitude de duvida a respeito da proteção de Deus. A Palavra de Deus tem que ser o fiel da balança em tais momentos.

Salomão escreveu: “Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave. Não temas o pavor repentino, nem a arremetida dos perversos, quando vier. Porque o SENHOR será a tua segurança e guardará os teus pés de serem presos.” (Pv 3:24-26) Isto nos mostra que neste mundo mal, a arremetida dos perversos poderá vir. E se ela vier devemos manter firmes nossas convicções de que é o Senhor Deus quem nos guarda e nos livra. Podemos dormir e ter sono tranquilo. O Salmista escreveu: “O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem e os livra.” (Sl 34:7) “E ainda: “Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos.” (Sl 91:11) Nada nos acontece sem que esteja debaixo do plano soberano e do olhar protetor do nosso Deus.

A Bíblia contém muitos exemplos de homens e mulheres amedrontados e intimidados pelo contexto de violência e iniquidade que os cercava. Mas era do Senhor que vinha o livramento. Precisamos entender e crer que nossa proteção vem do alto. Nossa segurança vem do andar de cima. Este será um exercício frequente em nossos dias. Precisamos desenvolver maior intimidade com o Senhor. Buscar sua presença em oração e experimentar sua proteção. Alimentar nossas almas com Sua palavra que nos assegura que Ele é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação (Sl 46:1). Que Ele é o escudo para todos os que nele se refugiam (Sl 18:30).

Meus irmãos, que nossa atitude ao final seja como a do salmista: “Em paz me deito e logo pego no sono, porque, SENHOR, só tu me fazes repousar seguro.”(Sl 4:8)

Que o Senhor nos ajude.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho

Share