Pastorais
A mensagem do natal para Adão e Eva

1 de dezembro de 2017

A criação em Gênesis expressa o cuidado de Deus em produzir uma obra excelente em todos os detalhes. Tudo foi projetado para ser pleno majestoso e perfeito. A criação do homem e da mulher foi o ápice da obra divina, afinal, Deus os fez à sua imagem e semelhança (Gn 1.27). O projeto de Deus era vincular-se ao homem através de um relacionamento nutrido pelo amor e pela vida. O próprio Senhor era a fonte do amor e bastava aos primeiros pais se nutrirem desta relação com fidelidade irrestrita.

O amor não se estabelece no campo da obrigatoriedade. O amor verdadeiro se desenvolve apenas quando há a liberdade para não amar. Por isso, Deus coloca a árvore do conhecimento do bem e do mal no meio do jardim, afinal, os primeiros pais tinham a opção e a liberdade de romper com o Criador a qualquer momento. Adão e Eva comem do fruto, rejeitam o amor, ignoram a vida e, como consequência, a morte se torna uma realidade para toda a descendência. Eles decidem deixar de obedecer e optam por um caminho sem Deus.

Esta é a explicação bíblica para todos os desajustes morais, sociais, econômicos, políticos e pessoais que afetam a humanidade. A dor, o sofrimento, o vazio existencial, a falta de sentido, a angústia e tantos outros males decorrem do rompimento do homem para com Deus. O caos se instaurou e cabe ao homem tentar minimizar a própria tragédia por meio de entretenimentos, sonhos, projetos e bens que produzem uma pseudo sensação de sentido. A história caminha para um final absolutamente trágico e humanamente irreversível.

No entanto, Deus manifesta a sua graça e misericórdia nas primeiras páginas da Bíblia. A promessa do salvador ocorre em Gênesis 3.15, quando Deus diz que o descendente da mulher viria para esmagar a cabeça da serpente. O Antigo Testamento relata detalhadamente o projeto divino para a chegada do Messias. Adão e Eva ouviram do próprio Deus que, apesar da desobediência, a salvação iria alcançar os filhos de Deus e conduzi-los para a vida eterna. Este processo ocorreria através do nascimento, morte e ressurreição do filho de Deus.

A mensagem do natal já existia antes do nascimento virginal de Cristo. Na verdade, desde os primórdios da humanidade há a expectativa pela vinda do salvador. A esperança pela chegada do Deus forte, maravilhoso conselheiro, pai da eternidade e príncipe da paz ardia em cada um dos corações daqueles que pertenciam ao povo de Deus. O sinal era que o descendente da mulher iria nascer de uma virgem e o seu nome seria Emanuel, ou seja, Deus conosco.

Todos os que ouviram e creram na poderosa mensagem do descendente da mulher que esmagou a cabeça da serpente através da sua morte e ressurreição celebram no natal a vitória da vida sobre a morte, da luz sobre as trevas e da esperança sobre o desespero. É um tempo de festa, afinal, nasceu aquele que concede vida eterna aos seus discípulos.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena



Share
A História de Hadassa

23 de novembro de 2017

Você já assistiu o filme “300 de Esparta”? O filme se passa no 5º Século a. C, mais precisamente entre os anos de 486 a 465 , quando reinou o imperador da Pérsia chamado Assuero, também conhecido por Xerxes I (ou Artaxerxes para os gregos). Filho de Dario I, Xerxes I guerreou contra os gregos em vingança à seu pai que perdera a Batalha de Maratona em 490 a.C. . Xerxes I comandou uma invasão épica à Grécia. Travou batalha sangrenta onde foi memorável a resistência dos atenienses e espartanos, retratada no filme. Mas Xerxes I foi também imperador sobre os judeus que viviam em seu reino, os quais haviam sido deportados de Israel para a Babilônia (agora Reino da Pérsia) ao longo de vários anos. As Escrituras nos contam a história desta relação.

Conta-nos o relato que certo dia Assuero, um déspota sentimental e impulsivo, durante um riquíssimo banquete que ele mesmo promovera, sob a influência do álcool e num ímpeto de vaidade, decidiu expor as belezas de sua esposa a todos os seus convivas. Surpreendentemente, a rainha Vasti recusou a submeter-se ao delírio do marido, o que levou Assuero, aconselhado pelos sábios e mestres da lei, a destituí-la da posição. É neste contexto, e na competição por uma substituta da rainha, que surge a judia Hadassa. Filha adotiva de Mordecai (na verdade também sua prima mais nova), Hadassa, também chamada por seu nome persa Ester, subiu ao trono e tornou-se rainha.

A história se desenrola numa trama mirabolante (vale a pena ler o livro de Ester), e nela surge um inimigo mortal do povo judeu, Hamã, o príncipe militar. Este, por soberba e vaidade, decide exterminar o povo hebreu da face do império persa. Hamã empreendeu toda uma estratégia para convencer Assuero de tal propósito. Mas pela soberania e providência divina, a rainha Ester, motivada por seu padrasto, e por um povo de joelhos e em jejum, intercedeu junto ao imperador, livrando o povo judeu do extermínio. O grande ponto da história é a Providência de Deus associada à ação do homem. Ester era a pessoa certa no lugar certo. O texto bíblico nos diz nos lábios de Mordecai: “quem sabe se para conjuntura como esta é que foste elevada a rainha?” (Es 4:14).

Queridos, tudo na vida serve a um propósito maior. Não há acaso. Como temos dito repetidas vezes, Deus rege a história. Creio que nosso senso de realização pessoal e felicidade só é alcançado plenamente quando nos fazemos a pergunta: “Quem sabe se para esta conjuntura Deus me colocou na família que tenho, no trabalho que desempenho, no grupo do qual faço parte, na igreja onde sirvo?” A vida é cheia de curvas e retas, altos e baixos, mas tudo serve aos propósitos do Soberano Senhor, dono da História e Senhor da vida. Nem sempre a manifestação de Deus fica tão evidente em nossas histórias. No livro de Ester, por exemplo, não há uma menção sequer do nome de Deus. Mas Ele regia cada evento com graça e misericórdia infinitos. Você já chegou a esta conclusão em sua própria história de vida?
Que Deus nos ajude a discernir seu plano com a sabedoria que Ele mesmo nos concede do alto.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho



Share
DEUS TEM UMA ALIANÇA COM VOCÊ!

17 de novembro de 2017

“Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós”
Lucas 22.20

Deus tem uma aliança com cada cristão. Pense, que grande privilégio, saber que o Senhor do universo olha para sua vida de maneira especial! Existem duas palavras para “novo” em grego; “Neós” e “Kainós”. A palavra “Neós” é usada para explicar algo que acabou de nascer, de ser criado, de vir a existência. A palavra “Kainós” é usada para algo que foi renovado, melhorado, como explica o Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento: “Kainós denota aquilo que é novo quanto a qualidade, em comparação com aquilo que existia até agora, aquilo que é melhor do que o antigo, enquanto ‘neós’ se emprega temporalmente para aquilo que não existia antes, e que acabara de aparecer”. (DITNT, p.1402)

Deus sempre tratou Seu povo como o povo da aliança. Uma aliança que Ele mesmo estabeleceu e cuidou ao longo de toda a história. Como diz Palmer Robertson: “Estas alianças sucessivas feitas com Noé, Abraão, Moisés e Davi estendem-se ao longo de todo o Período do Velho Testamento. A promessa referente à nova aliança, dada durante o tempo em que Israel estava à beira de ser lançado fora da terra, acha seu cumprimento nos dias de Jesus Cristo e estende-se até a consumação de todas as coisas (Jr 31.31ss; Ez 37.26ss; cf com Lc 22.20; 2 Co 3.6; Hb 8.8ss; 9.15; 10.15-18; 12.24) (O.P.Robertson, p.19).

O propósito especial desta aliança é estabelecer uma unidade entre Deus e o Seu povo. “Uma aliança fala de unidade. Pela aliança de Deus com Seu povo, Ele pretende atingir unidade”(O.P.R, p.263)

Quando Jesus fala que o Seu sangue é o sangue da “nova”(Kainós) aliança com Seu povo, Ele não está criando algo totalmente novo, mas está reafirmando a “antiga” aliança firmada no Velho Testamento e ao mesmo tempo trazendo um significado de que aquela aliança antiga foi agora “melhorada” ou “definitivamente cumprida” com uma qualidade maior, já que o agente da aliança é o próprio Messias que derramou o Seu sangue para perdão dos pecados daqueles que fazem parte desta aliança. “Jesus dá a entender que Sua morte iminente está para substituir os sacrifícios da Lei Antiga” e “a Ceia do Senhor, apresentada assim, indica e inaugura uma redenção efetuada pela morte de Cristo como um sacrifício” (Leon Morris p.288).

Quando você estiver enfrentando tempos difíceis ou desfrutando de tempos de paz, saiba que Deus tem uma aliança com você e que debaixo de Seu amor você sempre experimentará alegria, paz e a certeza do cuidado e das bênçãos de Deus sobre sua vida! Deus tem uma aliança com você!

Que Deus te abençoe!

Rev. Leonardo Sahium



Share
O PREÇO DO DISCIPULADO

10 de novembro de 2017

Nos últimos 40 anos, a igreja evangélica se espalhou por todo território nacional. As denominações se multiplicam a cada posicionamento discordante de um líder ou em decorrência de disputas pelo poder. A verdade é que em nome de Deus muitos grupos surgem para alimentar seus próprios interesses e caprichos. Querem uma igreja centrada na satisfação do indivíduo como se estivessem tratando com clientes.

O risco da igreja se tornar antropocêntrica é iminente e sedutor. A utilização da satisfação pessoal para avaliar os elementos do culto e estabelecer escala de valores religiosos pode encontrar raízes na idolatria do coração. Muitas vezes, é mais fácil, cômodo e confortável definir a qualidade de uma igreja pelo nível de conforto que ela produz ao indivíduo e sua família.

O evangelho não se submete a esta plataforma comercial de busca pela plena satisfação do consumidor. As estruturas do cristianismo não se sustentam sobre as bases de uma religiosidade que causa coceira aos ouvidos, massageia o ego e infla a vontade humana. Os verdadeiros discípulos de Cristo não se acomodam confortavelmente a este formato. Pelo contrário, eles entendem que a verdadeira fé cristã é um convite para destronar o eu e elevar Cristo como Senhor absoluto do coração.

O discípulo de Cristo é convidado para o desconforto espiritual, pois está em constante conflito com a própria vontade e precisa reajustar todas as áreas para viver segundo os princípios de Deus. Jesus ensinou que este reposicionamento de valores pode promover alguns aborrecimentos: “Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.” Lc 14.26.

O discipulado envolve agradar e amar a Cristo sobre todas as coisas e pessoas. Esta atitude pode aborrecer não apenas os que estão ao redor, mas também ao próprio indivíduo. O estabelecimento da vontade soberana de Cristo produz tanto inquietações pessoais como também nas interações. Conforme afirmou Pedro e os demais apóstolos, “antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” At 5.21.

O discipulado deve produzir uma vívida consciência de que tudo pertence ao Senhor Jesus. Ele é o proprietário da igreja e todos estão submetidos à sua soberana vontade: “Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo” Lc 14.33. Uma igreja saudável é composta por discípulos submetidos a Cristo e não por indivíduos que farejam o melhor lugar para satisfazer os seus anseios pessoais.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena



Share
UMA IGREJA VIVA

8 de novembro de 2017

Queridos irmãos, o culto de comemoração dos 500 anos da Reforma Protestante promovido pela IPB no último sábado dia 28 na Arena Carioca 1 e Arena do Futuro do Parque Olímpico foi uma experiência emblemática. Estima-se que ali estiveram presentes cerca de 16 mil pessoas. Que clima vibrante! Que culto maravilhoso! Que louvores bem ministrados! Que pregações poderosas! Que coral! Que manifestação de respeito! O Rev. Leonardo ficou responsável pela diplomacia no evento, com a coordenação da recepção e acompanhamento de autoridades. Vários irmãos da Gávea estiveram ali apoiando esta e outras áreas como comunicação, música, etc. A organização de um evento com tal complexidade foi muito bem sucedida. Uma grande festa!

Mas o que quero dizer com igreja VIVA? Ali presenciei uma Igreja Presbiteriana que entende sua missão, se envolve com a visão, serve de forma incansável. Uma igreja viva que vibra com a presença do Espírito Santo, se alegra com a união entre os irmãos. Uma igreja viva, que respeita as diferenças, discerne o momento. Éramos muitos ali, de muitas igrejas, presbitérios e sínodos diferentes. Havia a presença de irmãos de outras denominações também. Muita diversidade e estilos, mas todos ao redor de um propósito comum: exaltar o nome de Cristo naquele lugar. Me fez lembrar as palavras de Lucas no relato do livro de Atos 4:32: “Da multidão dos que creram era um o coração e a alma.” Senti que realmente éramos um único coração e alma. Um Esprit de Corps (espírito de corpo), que nos fez sair dali revigorados, animados, vibrantes com o anúncio do Evangelho de Cristo que é o único caminho para um mundo em trevas.

Ainda no momento pós-culto, nas palavras finais, o povo de Deus manifestou grande respeito pela presença de autoridades, dentre outras, em destaque o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella. Irmãos, confesso que me deu um “frio na barriga” quando ele recebeu o microfone das mãos do presidente do Supremo Concílio da IPB, Rev. Roberto Brasileiro, e deu uma breve palavra ao público. A igreja de Cristo presente soube discernir o momento, manifestando seu respeito pelas autoridades e políticos presentes, e não promovendo qualquer esboço de manifestação. Afinal, como legado da Reforma, sabemos que Igreja e Estado não se misturam! E ali estava a Igreja reunida.
Por fim, e não menos importante, tantos destaques foram dados pela mídia neste tempo de celebração dos 500 anos da Reforma, e foi muito bom constatar que em quase todas as coberturas os presbiterianos estavam presentes marcando posição com uma palavra sóbria e sábia. Que essas celebrações nos motivem a continuar na missão, ancorados na Escritura, firmes na Fé, confiantes na Graça, sendo Cristo o centro da nossa vida.

Soli Deo Gloria.
Rev. Antonio Alvim Dusi Filho



Share
DEUS FEZ PROEZAS NA IGREJA DA GÁVEA (2007-2017)

25 de outubro de 2017

Gostaria de pedir sua permissão – querido leitor – para escrever em primeira pessoa. Sou uma testemunha ocular desta verdade bíblica descrita no Salmo 118.15: “Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do SENHOR faz proezas.”

Em 2007, iniciamos o ano louvando a Deus, por aquilo que o crescimento de nossa Igreja trazia como resultado prático na dinâmica de nossa comunidade. A Bíblia nos ensina que Deus é quem nos dá o crescimento (1 Coríntios 3.6). Novas pessoas estavam chegando e todas muito valorosas, sendo assim um tempo de muita alegria e comunhão. Deus estava agregando cristãos cheios de compromisso com Sua Obra.

Iniciei as viagens aos Estados Unidos da América e novas portas se abriram, iniciamos parcerias internacionais com Igrejas Presbiterianas americanas. Rev. Felipe liderava o trabalho com a juventude e o trabalho cresceu. Andando pela rua, orava pedindo um lugar para que pudéssemos comprar e ampliar nossas atividades. Deus abriu as portas, entre os anos de 2008 a 2012, as proezas aconteceram. Deus manteve nossa igreja unida, com um só coração, uma só missão. Foi lindo demais!

Os membros da igreja sonharam juntos e compramos a casa em frente, ganhamos o projeto, contratamos uma construtora e em janeiro de 2013 inauguramos a casa 64! O conselho havia estabelecido a mesma estratégia por ocasião da construção do templo novo, ou seja, dividir a igreja em 12 tribos, representando as tribos de Israel, para arrecadar recursos, comprar e construir. A igreja continuou plantando novas igrejas, investindo em missionários, abençoando milhares de vidas. Nenhum centavo do orçamento destinado a missões foi usado para construir a nova obra da Igreja. Para a obra tivemos orçamento específico!

O departamento infantil, liderado pela Cristiane Sahium, cresceu, tornando-se uma referência no ensino da Palavra e novas obras foram necessárias para abrigar o grande número de crianças. Os materiais antes guardados no fosso do elevador, agora precisavam de uma sala maior, afinal, junto com o crescimento chegou o elevador, a porta do Shopping, o espaço koinonia e muito mais.

A igreja continuou crescendo, o Instituto Bíblico da Gávea se fortaleceu, pregadores internacionais, eventos evangelísticos na cidade durante os Jogos Pan-Americanos/2007, Copa do Mundo/2014 e Olimpíadas/2016. Em todas estas grandes mobilizações evangelísticas a Igreja Presbiteriana da Gávea foi a sede administrativa, o lugar onde os lideres de várias igrejas e denominações se encontravam para orar, planejar e agir com eficiência. Em 2012, convidei o Rev. Alexandre como pastor auxiliar e depois estendi o convite para dividir com ele a titularidade, assim como havia feito com Rev. Felipe. O Rev. Dusi chegou para somar, e assim temos experimentado ao longo desta história, uma unidade abençoada no colégio pastoral da Igreja da Gávea. O ministério de música liderado pela Maria das Graças, e cada líder de departamento e ministério tem servido a Deus com qualidade e excelência.

Deus fez, faz e sempre fará proezas na Igreja Presbiteriana da Gávea! Ele é o Senhor desta obra! Que nosso supremo pastor, Jesus Cristo, pela ação do Espírito Santo, continue derramando bênção sobre esta igreja. A Deus toda Glória!

Parabéns, Igreja Presbiteriana da Gávea, pelos seus 50 anos!

Rev. Leonardo Sahium



Share
UMA IGREJA QUE ENFATIZA O ENSINO E A PLANTAÇÃO (1998-2007)

20 de outubro de 2017

Ao questionar líderes e pastores acerca das ênfases ministeriais de suas igrejas, alguns não conseguirão definir com clareza. São tantos compromissos, reuniões e atividades que se torna difícil identificar a característica principal. Cada igreja investe tempo e recursos naquilo que estabelece como prioridade. Existem aquelas desinteressadas no crescimento e outras dispostas a crescer a qualquer custo. Algumas igrejas estão focadas em programações e outras em inovações litúrgicas. Enfim, cada igreja destaca aquilo que é importante para a sua trajetória.

O Novo Testamento ensina que as igrejas primitivas possuíam peculiaridades que as distinguiam umas das outras. Por exemplo, a igreja em Corinto enfatizava temas diferentes da igreja de Roma. A igreja em Tessalônica tinha preocupações que não eram identificadas na igreja em Éfeso. As cartas às sete igrejas no Apocalipse evidenciam o quanto Cristo está atento às especificidades de cada uma das suas comunidades.

Existem princípios que não podem ser negociados ou alterados de uma igreja para outra, pois fazem parte dos fundamentos da fé cristã. A Reforma Protestante ressaltou estes alicerces inegociáveis através das cinco solas: sola Scriptura, solo Christus, sola Gratia, sola Fide, Soli Deo Gloria. Estes valores caracterizam as igrejas reformadas espalhadas pelo mundo.

Ao observar a história da IPG entre 1998 e 2007, é possível perceber o quanto a dinâmica e as decisões refletiam a preocupação da igreja em manter-se firme nos pilares da reforma. O investimento no ministério de ensino e a dedicação na obra missionária ressaltam o compromisso de uma igreja que deseja se aprofundar no conhecimento da Palavra e ao mesmo tempo cumprir o IDE de Cristo. O tema de celebração pelos 40 anos reflete isso: “40 anos firmados na graça, servindo ao Senhor”.

A criação de uma biblioteca com literatura evangélica e a preocupação em consolidar nos adolescentes o gosto e o prazer pelo estudo da palavra demonstram o zelo para com a instrução bíblica. A ampliação do trabalho com pequenos grupos nos lares proporcionou a possibilidade de dezenas de irmãos se reunirem semanalmente para fortalecer a fé através do estudo da Palavra, da oração e da comunhão.

Este também foi um tempo de expansão do Reino através da plantação de novas igrejas. Foram organizadas quatro igrejas presbiterianas: Freguesia (2001), Recreio dos Bandeirantes (2002), 3ª de Angra dos Reis (2004) e Colorado-Bangu (2004). Em 2003 foi realizado o I Encontro de Plantadores de igrejas com a presença de 160 pessoas.

A oração é para que a Igreja Presbiteriana da Gávea mantenha na sua genética a firmeza na Palavra e o amor pela plantação de novas igrejas. Que estas ênfases tão facilmente identificadas até aqui, permaneçam nas futuras gerações.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena



Share
UMA IGREJA EM TRANSFORMAÇÃO (1988-1998)

11 de outubro de 2017

Um dos maiores desafios de qualquer organização empresarial é preparar-se para crescer em sua área de atuação, transformando-se diante das novas demandas de mercado que surgem como resultado de um mundo em constantes mudanças. Apesar de uma igreja não ser uma empresa, experimentamos os mesmos desafios por sermos uma organização com uma missão. Juntos cooperamos para um objetivo comum, o de anunciar o evangelho de Jesus Cristo a toda criatura. Continuamente buscamos ser capazes de comunicar a Nova do Evangelho de forma relevante e contemporânea, em sintonia com as demandas do nosso tempo.

A Gávea, entre os anos de 1988 e 1998, viveu um período de transformação. A igreja alcançara um patamar de consolidação, com entidades internas bem estruturadas e funcionando com bastante vigor. Eu pessoalmente tive o prazer de testemunhar isso estando à frente da UMP e também envolvido com o trabalho da Junta Diaconal. A grande transformação começou a partir da sensibilidade do Rev. Elias Medeiros em perceber a necessidade de preparar a igreja para caminhar em direção a novos desafios. Em 1988, após ter servido por 22 anos na Gávea, ele iniciou um processo de transição pastoral. Imaginem irmãos, quantas aflições e preocupações passaram pelo coração do Rev. Elias e Dóris. Ele com muita firmeza, liderança e habilidade pastoral buscou e encontrou a pessoa certa para a transformação: Rev. Samuel Vieira. Em 11/03/1990 o Rev. Samuel assumiu o pastorado efetivo na Gávea. O Rev. Samuel Vieira trouxe uma nova dinâmica para a igreja, estruturando-a em ministérios. Nessa perspectiva, a igreja avançou sob o lema “Uma Igreja em ação”, com as áreas de ênfase como Oração, Administração e Finanças, Evangelização, Missões, Ação Social, Ensino, Música e Arte, Integração e Discipulado. Neste tempo surgiram iniciativas como a criação da livraria, do Encontro de Casais com Cristo, do IBG, e etc. Em 1991, o Rev. Eduardo (Badú) Rosa Pedreira se juntou ao ministério na Gávea como pastor auxiliar. Em 1993, sob a liderança do Rev. Samuel e Rev. Badú, a igreja foi desafiada a construir o novo templo, que ora ocupamos. A igreja respondeu ao desafio com vigor e fé. Dividida em 12 grupos, segundo as 12 tribos de Israel, iniciou em janeiro de 1994 as campanhas para levantamento dos recursos para a construção do novo templo. Ao longo de todo este período a igreja ficou marcada pela demonstração de engajamento, perseverança e liberalidade de seus membros.

Em um novo momento de transição e dando continuidade à visão ministerial, em 22/05/94, a igreja elegeu o Rev. Badú para o pastorado efetivo na Gávea, que por sua vez convidou para ladeá-lo como pastor auxiliar o Rev. Marcos Antonio Farias de Azevedo. Durante o pastorado do Rev. Badú, e após 2 anos e 8 meses de muito trabalho, em 11/08/96 o novo templo foi inaugurado. Sob a liderança do Rev. Eduardo e Rev. Marcos, a igreja permaneceu vibrante em sua dinâmica, tendo sua estrutura organizacional baseada em Dons e Ministérios. A última transição deste período foi a eleição do Rev. Marcos Azevedo que passou a ser pastor efetivo a partir de 08/06/97. Há muitos outros fatos a relatar, mas em todos eles, o que podemos constatar é boa mão do Senhor conduzindo a história da nossa querida Igreja da Gávea. Que continuemos comprometidos com a história de nossa igreja, certos de que somos cooperadores com Deus nela.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho



Share
Uma história de adoração, expansão e visão de Reino (1977-1987)

5 de outubro de 2017

A biografia de uma pessoa revela as suas ênfases e prioridades ao longo da vida. A narrativa separa os destaques que enaltecem a singularidade da jornada. Com a história de uma igreja não é diferente, afinal, as decisões, os projetos e as execuções das atividades expõem o que realmente é importante para tal comunidade. Este artigo pinça alguns eventos que aconteceram na segunda década da IP Gávea e que expressam os valores sustentados pela igreja ao longo da sua existência.

Uma igreja que ama o ministério de música. Em 1979, ocorreu a primeira aquisição das togas para o coral da igreja. Neste mesmo período, aconteceu a organização do coral jovem, que chegou a contar com cerca de 50 pessoas. A atividade musical da IPG continua firme e pujante tanto com o coral Vozes em Louvor, como também com o coral jovem/adolescente Frutificanto, o coral infantil e os demais grupos de louvor. O envolvimento de tantos irmãos neste ministério demonstra o quanto a igreja sempre amou e valorizou a adoração ao Senhor.

Uma igreja em expansão. A partir do ano de 1977, iniciou-se a campanha para a construção do prédio de educação religiosa. Este projeto manifesta a visão de uma igreja que não se acomoda, afinal, foi vocacionada para o crescimento. Através da fidelidade dos membros com os seus dízimos e ofertas a obra foi concluída em 1981. Outras aquisições, construções e reformas continuaram acontecendo para atender às novas demandas e desafios de uma igreja avessa à estagnação.

Uma igreja com visão de Reino. Se tem algo que faz parte da genética da IPG é a sua dedicação com a proclamação do Reino de Cristo no país. A década de 80 foi marcada por inúmeras contribuições para a construção de templos, casas pastorais e outras instalações. Em 1982, a IPG contribuiu para a edificação de templos presbiterianos em Patrocínio de Muriaé e São João do Oriente. Neste mesmo ano, a igreja auxiliou na construção da casa da viúva Etel Neves Sathler, esposa do Rev. Cicero Satler. Em 1983, o auxílio foi para a construção dos templos presbiterianos em Itaitindiba, São Gonçalo e Petrópolis. Em 1984, a igreja destinou uma oferta especial para a construção do Centro Social da Igreja Presbiteriana de Cartéis, Ceará. Ainda neste ano, a IPG contribuiu para a construção do templo da Igreja Presbiteriana de Taguará, em Jacarepaguá, Rio de Janeiro. Em 1986, a igreja colaborou com a construção do templo da Igreja Presbiteriana de Bom Jesus da Lapa, Bahia. É importante destacar que em 1983, a IPG realizou campanhas para auxiliar os atingidos pelas enchentes em Santa Catarina e também contribuiu numa campanha em prol do nordeste brasileiro. Estes são apenas alguns destaques que evidenciam o amor da igreja pela propagação do evangelho.

Que Deus ilumine, fortaleça e anime a IPG para continuar adorando com alegria, entusiasmo e sinceridade. Que o desejo por expansão jamais acabe e que o amor pelo Reino de Deus continue sendo uma marca daqueles que congregam na Rua dos Oitis 63/64.

Rev Alexandre Rodrigues Sena



Share
IGREJA DA GÁVEA 1967 a 1977

27 de setembro de 2017

Este mês queremos lembrar nossos 50 anos de caminhada como Igreja Presbiteriana da Gávea. Temos uma linda história que se inicia na Reforma Protestante no dia 31 de outubro de 1517, quando Martinho Lutero protesta pedindo a volta da Igreja aos princípios bíblicos. Nossa Igreja da Gávea foi organizada pelo Presbitério do Rio de Janeiro, no dia 31 de outubro de 1967. Portanto, celebramos em 2017, os 500 anos da Reforma Protestante e os 50 anos de nossa Igreja Presbiteriana da Gávea.

Os primeiros 10 anos da Igreja da Gávea foram marcados pelos humildes começos, afinal, no dia da organização havia apenas 64 membros comungantes e 40 não comungantes. Os primeiros oficiais foram eleitos e a presença de 400 pessoas neste culto de organização da Igreja, já anunciava que estes 64 membros estavam dispostos a evangelizar e transformar a Igreja Presbiteriana da Gávea em uma comunidade forte e participativa na expansão do evangelho.

A SAF que havia sido organizada em 11 de junho de 1967, contava com 27 sócias e sua primeira presidente foi Dóris Werner Medeiros, esposa do Rev. Elias Medeiros, então pastor da Igreja. Estes primeiros 10 anos foram marcados pela organização das outras sociedades internas. O Coral Vozes em Louvor foi organizado em 04/03/1966. Esta igreja já mostrava sua vocação para a boa música.

Entre 1967 e 1977 a Igreja se consolidou, com a eleição de líderes em todos os departamentos, coral, compra de instrumentos musicais e até a celebração de seus 10 anos de organização com um hino da igreja, especialmente composto na ocasião pela irmã Zilda Cormack.

Rev. Elias era um homem preocupado com a excelência, nos mínimos detalhes, e desde o início, cada boletim e publicação da igreja, tinha como característica o esmero no acabamento. Moveis de qualidade e objetos para decoração do templo, eram escolhidos entre os melhores e tinham sua história preservada.

A Igreja se consolidou e em breve estas histórias serão conhecidas em um livro de autoria do Dc Nelson de Paula Pereira. Queremos anunciar ao mundo o testemunho da ação de Deus na vida de pessoas que por amor a Cristo tem feito desta Igreja uma grande proclamadora da verdade do Evangelho que salva e transforma a vida de homens, mulheres e crianças.

Que Deus abençoe nossa Igreja!

Rev. Leonardo Sahium



Share