Pastorais
CUIDADO, SUA GENEROSIDADE PODE MATAR UMA IGREJA LOCAL

2 de junho de 2019

Existe um enorme privilégio quando pensamos em nossa vida financeira. O privilégio é poder administrar aquilo que chega em nossas mãos como um salário ou qualquer outro tipo de recurso que nos possibilita pagar nossas contas, viver com dignidade e até investir.

A Bíblia nos afirma que todo recurso financeiro é uma bênção que vem de Deus, afinal, Ele é o nosso provedor, Ele é o dono do ouro e da prata, Ele reina sobre nossas vidas e nos dá saúde e condições para conseguir recursos para comer, sustentar uma casa, manter uma família e viver.

Deus afirma na Bíblia que existe um princípio de reconhecimento visível por parte de seus filhos e filhas, onde é possível dedicar ao Senhor uma adoração sincera e particular. Este reconhecimento, esta gratidão visível, material, fica evidenciada através de nossos dízimos e ofertas. (1 Crônicas 29.1-22)

A Bíblia nos ensina que durante todo o Antigo e Novo Testamento o povo de Deus manteve a Obra do Senhor com suas contribuições voluntárias e regulares. O ministério do próprio Senhor Jesus Cristo foi mantido por pessoas que “lhe prestavam assistência com seus bens” (Lucas. 8.1-3)

A orientação bíblica é que nós devemos trazer todos os dízimos à Casa do Senhor (Malaquias 3.10). Neste texto somos ensinados que no Templo havia uma sala especial, chamada Casa do Tesouro, afinal, naquela época não existiam Bancos, então os recursos eram guardados ali, para que os líderes do tempo pudessem pagar as contas à medida que se tinha necessidade, buscando naquele lugar o que havia sido consagrado.

No Novo Testamento vemos o apóstolo Pedro condenando Ananias e Safira porque este casal havia mentido sobre sua consagração financeira, tentando administrar com mentiras os recursos que consagravam diante da Igreja (Atos 5).

O que estes textos sagrados querem nos ensinar? Existe uma maneira de adorarmos a Deus com, sinceridade, espontaneidade e regularidade. Mas também existe um perigo, que é muito comum. Tentar administrar os “nossos dízimos e ofertas” quando a Bíblia nos diz que devemos “Trazer na Casa do Senhor”. Imagine se todos os membros de uma Igreja, com o coração cheio de generosidade, resolvessem administrar seus dízimos e ofertas. O que aconteceria com a Igreja local? Com os missionários? Suas famílias? As obras sociais? Por isso, cuidado, sua generosidade pode matar uma igreja local! Se um cristão conhece uma pessoa ou entidade que necessita de ajuda, diga aos diáconos da Igreja. Se todos forem fiéis, a Igreja terá recursos para ajudar a muitos!

Não existe um só versículo na Bíblia que autoriza um cristão para que ele administre seu dízimo e oferta. Pense nisso! Ensine isso! Viva isso! Consagração financeira é uma bênção, um privilégio! “Deus ama a quem dá com alegria” (2 Co.9.7)

Que Deus nos abençoe.

Rev. Leonardo Sahium

Share