Pastorais
NÃO SEJA INOCENTE

11 de janeiro de 2019

Um inocente, segundo a definição do dicionário, é uma “pessoa sem malícia, ingênua”. É uma pessoa que não percebe as armadilhas ao seu redor, ele é simples e se comporta com fraqueza.

O mundo está mudando muito rápido e de maneira constante, dinâmica, ou seja, o mundo não está indo em uma direção certa, ele apenas muda. Não existe uma rota, um objetivo final nas propostas deste universo repleto de informações, ele apenas caminha rápido em direções diversas e de maneira constante.

Vivemos em um mundo onde as transformações sociais são multiformes. O autor de Os Guinness define esta pluralização como “o processo por meio do qual o numero de opções na esfera privada da sociedade moderna se multiplica rapidamente em todas as esferas, em especial, na esfera da visão de mundo.” (The Gravidigger File, IntervrVasity Press, 1983, p.92)

Segundo D. A. Carson, um dos maiores teólogos contemporâneos, o impacto do pluralismo transformou nossa maneira de ver o mundo, e este fundamento empírico quando incentivado, gera um relativismo existencial.

Em nossa sociedade do Século XXI existe uma nova armadilha, que vai daquilo que Stephen Carter chama de “cultura da descrença” até os relacionamentos individualistas deste mundo líquido moderno, que foram bem descritos pelo grande sociólogo Zygmunt Bauman.

Segundo Os Guinness: “chegamos ao estágio da pluralização em que a escolha não é apenas um estado das coisas, é um estado da mente. A escolha se torna um valor em si mesmo, até mesmo uma prioridade. Ser moderno é ser viciado na escolha, na mudança. A mudança se torna a própria essência da vida”.

Jesus Cristo nos alertou para estas armadilhas deste mundo astuto. Jesus disse: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim” João 15.18

Não devemos ser inocentes, sem perceber o quanto a nossa cultura moderna, tem incentivado a supervalorização do individualismo, o dogma da escolha como essência da vida e do relativismo na cultura da descrença.

O tempo todo, somos bombardeados através da mídia, das músicas e da literatura, por conceitos contrários aos alicerces de nossa fé.

O que fazer? Observe tudo, com atenção, perceba se o que está sendo ensinado, dito, cantado e espalhado pelos veículos de comunicação estão te conduzindo para mais perto de Jesus Cristo, sua Igreja, Sua Palavra e vida em santidade. Se não, jogue fora, afinal, Jesus avisou: “o mundo vos odeia”.

Mas o próprio Cristo orou por nós em João 17.15, pedindo ao Pai para que não nos tirasse do mundo, mas que nos guardasse do mal. Afinal o mundo é nosso campo missionário, as pessoas que ainda não conhecem a Cristo precisam de nossa palavra, abraço, amor, para levar até elas a mensagem de salvação. Este é o grande propósito de nossas vidas!

Que Deus nos abençoe!
Rev. Leonardo Sahium

Share