Pastorais
PROVIDÊNCIA E CONTENTAMENTO

19 de maio de 2018

A verdadeira teologia precisa conectar-se com a vida prática. O acúmulo e a sistematização de doutrinas bíblicas tornam-se relevantes à medida que transformam os pensamentos, as emoções, as vontades e as ações. A teologia saudável produz uma espiritualidade vigorosa e não existe piedade consistente sem estudo bíblico comprometido.

A teologia da providência estabelece que Deus preserva e governa todas as coisas. Esta doutrina surgiu para contrapor tanto os filósofos epicureus, que diziam que o mundo é governado pelo acaso, como os estoicos, que atribuíam a direção do universo ao destino. A teologia da providência foi atacada nos séculos XVIII e XIX pelo deísmo. Os deístas ensinavam que após criar todas as coisas, Deus deixou a sua obra.

O teólogo Louis Berkhof define providência como o permanente exercício da energia divina, pelo qual o Criador preserva todas as Suas criaturas, opera em tudo que se passa no mundo e dirige todas as coisas para o seu determinado fim. De acordo com Heber Campos, a providência divina é uma atividade do Deus trino por meio do qual ele: (a) provê as necessidades de suas criaturas, (b) preserva todo o universo criado, (c) dirige todos os caminhos individualmente, (d) governa toda a obra de suas mãos, (e) retribui todas as obras más, e (f) concorre em todos os atos de suas criaturas racionais, sejam atos bons ou maus, de modo que nada escapa do seu controle.

O Deus que cria é o mesmo que governa, preserva e sustenta todas as coisas. O autor de Hebreus escreve: “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”. Tudo está debaixo do cuidado divino e, conforme escreveu Herman Bavinck, Ele sustenta todas as Suas criaturas, dirige os seus passos e as têm como barro nas mãos do oleiro (Is 29.16, 45.9).

A teologia da providência divina precisa gerar um comportamento espiritualmente adequado. Se Deus sustenta, governa e preserva a sua criação, resta aos que creem nEle a prática do contentamento. Deus é bom e tudo está no seu controle, desta forma, é necessário desenvolver a gratidão e a alegria. O apóstolo Paulo diz que aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação (Fp 4.11). Isso não significa que ele não tinha problemas, pelo contrário, o apóstolo entendeu que todas as suas dificuldades eram controladas e monitoradas por Deus. Ele também tinha ciência de que o Espírito Santo o capacitaria para enfrentar cada uma das suas adversidades.

Nada, absolutamente nada que acontece na sua vida está fora do controle e do governo de Deus. Descanse no seu governo, confie na sua soberania e creia na divina providência. Ele sabe das suas necessidades e, como Pai amoroso irá supri-las de acordo com a Sua vontade soberana.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share