Em 11 de outubro de 2017 | Pastorais

Um dos maiores desafios de qualquer organização empresarial é preparar-se para crescer em sua área de atuação, transformando-se diante das novas demandas de mercado que surgem como resultado de um mundo em constantes mudanças. Apesar de uma igreja não ser uma empresa, experimentamos os mesmos desafios por sermos uma organização com uma missão. Juntos cooperamos para um objetivo comum, o de anunciar o evangelho de Jesus Cristo a toda criatura. Continuamente buscamos ser capazes de comunicar a Nova do Evangelho de forma relevante e contemporânea, em sintonia com as demandas do nosso tempo.

A Gávea, entre os anos de 1988 e 1998, viveu um período de transformação. A igreja alcançara um patamar de consolidação, com entidades internas bem estruturadas e funcionando com bastante vigor. Eu pessoalmente tive o prazer de testemunhar isso estando à frente da UMP e também envolvido com o trabalho da Junta Diaconal. A grande transformação começou a partir da sensibilidade do Rev. Elias Medeiros em perceber a necessidade de preparar a igreja para caminhar em direção a novos desafios. Em 1988, após ter servido por 22 anos na Gávea, ele iniciou um processo de transição pastoral. Imaginem irmãos, quantas aflições e preocupações passaram pelo coração do Rev. Elias e Dóris. Ele com muita firmeza, liderança e habilidade pastoral buscou e encontrou a pessoa certa para a transformação: Rev. Samuel Vieira. Em 11/03/1990 o Rev. Samuel assumiu o pastorado efetivo na Gávea. O Rev. Samuel Vieira trouxe uma nova dinâmica para a igreja, estruturando-a em ministérios. Nessa perspectiva, a igreja avançou sob o lema “Uma Igreja em ação”, com as áreas de ênfase como Oração, Administração e Finanças, Evangelização, Missões, Ação Social, Ensino, Música e Arte, Integração e Discipulado. Neste tempo surgiram iniciativas como a criação da livraria, do Encontro de Casais com Cristo, do IBG, e etc. Em 1991, o Rev. Eduardo (Badú) Rosa Pedreira se juntou ao ministério na Gávea como pastor auxiliar. Em 1993, sob a liderança do Rev. Samuel e Rev. Badú, a igreja foi desafiada a construir o novo templo, que ora ocupamos. A igreja respondeu ao desafio com vigor e fé. Dividida em 12 grupos, segundo as 12 tribos de Israel, iniciou em janeiro de 1994 as campanhas para levantamento dos recursos para a construção do novo templo. Ao longo de todo este período a igreja ficou marcada pela demonstração de engajamento, perseverança e liberalidade de seus membros.

Em um novo momento de transição e dando continuidade à visão ministerial, em 22/05/94, a igreja elegeu o Rev. Badú para o pastorado efetivo na Gávea, que por sua vez convidou para ladeá-lo como pastor auxiliar o Rev. Marcos Antonio Farias de Azevedo. Durante o pastorado do Rev. Badú, e após 2 anos e 8 meses de muito trabalho, em 11/08/96 o novo templo foi inaugurado. Sob a liderança do Rev. Eduardo e Rev. Marcos, a igreja permaneceu vibrante em sua dinâmica, tendo sua estrutura organizacional baseada em Dons e Ministérios. A última transição deste período foi a eleição do Rev. Marcos Azevedo que passou a ser pastor efetivo a partir de 08/06/97. Há muitos outros fatos a relatar, mas em todos eles, o que podemos constatar é boa mão do Senhor conduzindo a história da nossa querida Igreja da Gávea. Que continuemos comprometidos com a história de nossa igreja, certos de que somos cooperadores com Deus nela.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho

Compartilhar