Pastorais
A importância da Adoração Comunitária

31 de julho de 2020

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns;
antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima”.
Hb 10.25

Hoje é um dia histórico para a nossa igreja. Em 53 anos de vida, nunca ficamos tanto tempo sem nos reunir. Nosso último culto presencial foi em 15 de março. Ou seja, por mais de 4 meses, ficamos impedidos, por razões sanitárias, de prestar o culto público a Deus. Participar da comunhão, da adoração comunitária, realmente nos fez falta…ou não?!?!

É importante sondarmos o nosso coração para percebermos se há em nós algum sentimento de comodismo, de estagnação, ou se realmente desejamos retornar ao culto público. Não quero aqui condenar àqueles irmãos que não poderão vir à igreja por uma série de fatores que, sabemos, são absolutamente plausíveis, tratando-se do tempo de pandemia em que vivemos. Mas, como seres-humanos, pecadores e falíveis que somos, é comum entrarmos em uma espécie de “zona de conforto”, nos deixando esfriar: esfriar nossa fé, esfriar nossa comunhão com o Senhor, esfriar nossa adoração…

Nesse sentido, quero aqui elencar alguns benefícios da adoração em comunidade, extraídos do livro “Verdadeiros Adoradores”, da Ed. Vida Nova, que podem nos ajudar nessa reflexão tão importante.

1. Relembrar e detalhar o Evangelho – Essa é uma prática muito comum no Antigo Testamento. Nele, e em especial no livro dos Salmos, lemos sobre Deus libertando o seu povo da escravidão do Egito. No Novo Testamento, celebramos a libertação que Cristo nos deu da escravidão do pecado. Jesus nos deixou a Ceia do Senhor, para nos lembrar constantemente de sua morte quando nos reunimos. Em nossas liturgias de culto, você sempre notará o momento de adoração a Deus e o de confissão de pecados, com a certeza do perdão, por intermédio da morte vicária de Cristo. Isso tudo é também para nos lembrar do evangelho. O Evangelho é uma fonte inesgotável de encorajamento, consolo e motivação para a alma cansada. Esse é o motivo de nos reunirmos para trazê-lo à memória.

2. Receber juntos a Palavra de Deus – Do começo ao fim da Bíblia, Deus sempre reuniu Seu povo para lhe falar por intermédio de Sua Palavra. Quando a igreja se reúne cheia de expectativa em um local para ouvir a Palavra de Deus, esse é um acontecimento singular. O Espírito trabalha em nossos corações para convencer, consolar, iluminar e exortar. Somos fortalecidos individualmente e como corpo. É uma grande benção poder ouvir um sermão reunidos como igreja.

3. Cuidado e serviço mútuos – O autor aos Hebreus afirma que nos reunimos a fim de “nos estimular uns aos outros ao amor e às boas obras”. Somos todos estimulados quando nos beneficiamos dos diferentes pontos fortes, dons e habilidades que Deus deu a cada um dos membros de nossa igreja. Todos nós precisamos ser estimulados regularmente. Cada um de nós possui um dom para servir ao Senhor. Nossos cultos oferecem uma riqueza de oportunidades, para recebermos e expressarmos a graça de Deus.

4. Demonstrando nossa unidade no Evangelho – A igreja espalhada durante a semana continua sendo a igreja. No entanto, nossa reunião é uma demonstração física e um lembrete de nossa distinção do mundo e de nossa união no Evangelho. Mostramos que fomos separados do mundo e unidos a Deus. O Senhor é glorificado, semanalmente, quando pessoas tão diferentes, se reúnem, unidas pelo mesmo Evangelho.

Quando o salmista afirma: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR” (Sl122.1), não é por acaso. Que alegria é retornar a casa do Senhor, desfrutando de tudo isso que falamos e muito mais. Aproveite esse tempo, valorize esse momento e, principalmente, seja grato a Deus porque até aqui Ele tem nos sustentado.

Que Deus te sustente, abençoe e guarde sempre.
Rev. Guilherme Jayme Travassos Esperança

Share