Pastorais
A NOBREZA DE UMA IGREJA

20 de outubro de 2016

O crescimento exponencial do número de igrejas evangélicas no Brasil produziu um emaranhado de doutrinas, liturgias e crenças que dificilmente podem ser catalogadas. Qualquer pessoa tem condições de iniciar um trabalho religioso e chamá-lo de evangélico, mesmo que esteja completamente descomprometido com os pilares da fé cristã.

A teologia da prosperidade, por exemplo, enfatiza que o objetivo central da obra de Cristo foi promover riquezas materiais e saúde plena aos conversos enquanto vivem nesta terra. Outras igrejas colocam a experiência pessoal como algo mais importante do que o texto bíblico. Ainda tem aquelas que priorizam as inúmeras atividades para entreter e agradar os membros.

No outro extremo está a teologia liberal com o discurso de que a revelação divina deve se submeter aos critérios racionais e culturais. Este princípio dilacera igrejas históricas na Europa, nos Estados Unidos e atinge muitas denominações brasileiras que a cada dia se tornam menos expressivas e apáticas espiritualmente.

No meio deste confuso e contraditório cenário com vertentes religiosas tão divergentes, encontrar igrejas comprometidas com a mensagem do evangelho pode se tornar um árduo desafio. Por isso, a própria Bíblia estabelece o critério para averiguar a idoneidade de uma igreja. Um exemplo está no livro de Atos dos apóstolos: “Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” Atos 17.11.

A fidelidade à Palavra de Deus, independente das tendências culturais, filosóficas e morais do momento, é o critério que eleva a igreja ao status de nobre. Uma igreja pode se destacar em todas as suas áreas e ministérios, no entanto, se a Palavra estiver sendo negligenciada, não passa de uma religião vazia e sem sentido. O texto de Atos ensina que é dever de cada membro se interessar ardentemente pela mensagem e examinar as Escrituras todos os dias.

A Igreja Presbiteriana da Gávea completa 49 anos e a saúde espiritual para chegar até aqui dependeu de irmãos que foram fervorosos na meditação da Palavra e firmes para combater ensinos estranhos que, certamente, rondaram a comunidade. Se os membros desta igreja desejam continuar sendo reconhecidos como nobres, é necessário manter o exame atento e sistemático das Sagradas Escrituras.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share