Pastorais
Carnaval 2015 com pano de saco e cinzas

6 de fevereiro de 2015

Uma descrença se estende no país proveniente de diversas fontes. Uma aguçada desesperança com a política, a desenfreada e incontrolável impunidade, impostos ainda mais pesados, desemprego, escassez de água, apagões, proliferação das drogas, banalização sexual e tudo mais que é noticiado diariamente.

A mídia se esforça para minimizar o caos com seus programas humorísticos, reality shows, novelas e futebol. No entanto, a sensação é que está tudo sem brilho, opaco e amargo. Em 2014, nem mesmo a Copa do Mundo conseguiu promover entusiasmo na nação. As eleições também contribuíram para gerar ainda mais desânimo, afinal, eram os mesmos políticos com suas promessas descaradamente enganosas.

Agora todos os holofotes miram para o carnaval 2015, com suas apresentações alegóricas e seus carros e músicas celebrando uma alegria que não existe. É inacreditável a mobilidade dos brasileiros para festejar diante do caos e cantar em meio a tanta tragédia. Isso revela o descompasso da vida, a aniquilação do bom senso e a incoerência inata de um povo que festeja quando tem e também quando não tem, qualquer motivo para se exibir com danças e cores extravagantes.

O Brasil precisa admitir que a sua imersão nas densas trevas e a sua cegueira espiritual são responsáveis por este desânimo coletivo que agrava com o passar do tempo. Identificar o seu estado e recorrer ao tratamento que está na completa rendição Àquele que pode reverter qualquer caos social. Por isso o salmista escreveu: “Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo que ele escolheu para sua herança”. (Sl 33.12).

A solução está no arrependimento contrito e na busca pelo Deus das nações que elimina todo o mal com a sua santa presença. Este carnaval não deveria ser marcado por roupas coloridas e bandinhas animadas, mas por uma multidão vestida de pano de saco, lançando cinzas em suas próprias cabeças como sinal de dor e tristeza pela degradação que foi pulverizada sobre a nação.

Precisamos clamar pelo auxílio de Deus, assim como Israel em meio às adversidades e perseguições: “Em todas as províncias aonde chegava a palavra do rei e a sua lei, havia entre os judeus grande luto, com jejum, e choro, e lamentação; e muitos se deitavam em pano de saco e em cinza.” (Et 4.3).

Enquanto Deus não for adorado, reverenciado e temido neste país, as pessoas terão fôlego, recursos e ânimo para se alegrar diante do caos. Por isso, a oração é para que o Senhor derrame do seu Espírito sobre esta nação, promovendo cura, libertação e salvação.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share