A SUPERABUNDANTE GRAÇA

A mente humana não tem condições de absorver a intensidade da queda. Apesar da facilidade em identificar inúmeras consequências do pecado no dia a dia, a punição correspondente à quebra do pacto do homem com Deus era a morte física, espiritual e eterna. Ao comerem o fruto do bem e do mal, os primeiros pais optaram por um caminho trágico de desespero e caos. A lei do Senhor tem o propósito de apresentar esta realidade e esclarecer que a situação do homem é insustentável e promove a perdição completa.

Somente Deus é maior do que o estrago causado pela desobediência dos primeiros pais, por isso, somente Ele poderia proporcionar a solução. É neste momento que a sua graça se manifesta através da salvação em Cristo Jesus. O apóstolo Paulo escreve sobre esse tema aos romanos: “mas, onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5.20b). Ele também trata deste assunto com Timóteo: “e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus”.

Graça é receber um presente imerecidamente. Ninguém era digno da reconciliação que foi proporcionada através do sacrifício de Cristo Jesus. Sua encarnação, morte e ressurreição manifestam o maravilhoso e surpreendente amor de Deus ao mundo. Por outro lado, revela também a profundidade do dano causado pela queda humana. Jesus cumpre a sua obra para promover vida aos que estavam mortos, esperança aos desesperados, alegria aos que estavam arrasados pela tristeza e luz para os que viviam em trevas.

Jesus é a revelação visível da graça de Deus e por meio dele a perspectiva da vida é transformada. Ao perceber o peso da merecida punição e o grande amor de Deus revelado em Cristo para salvar, surge nos corações dos cristãos uma profunda gratidão e uma indescritível alegria, afinal, esse amor é infinito e jamais poderá ser compreendido plenamente por mentes limitadas e corrompidas.

A graça de Deus produz salvação e também todos os cuidados decorrentes desta nova relação de Pai e filhos. Tudo o que produz vida verdadeira é fruto desta maravilhosa graça. Por isso, o coração do crente é marcado por gratidão, afinal, ele sabe do estado de morte que saiu e também da vida que adquiriu pelos méritos de Cristo.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena