Pastorais
IPB – 154 anos de unidade e disposição

23 de agosto de 2013

Não faltam sugestões para tornar a igreja em um ambiente melhor a cada dia. No entanto, imagine se tivesse que valer a opinião de todos os membros acerca das inúmeras áreas da estrutura eclesiástica? Certamente, o corpo de Cristo se fragmentaria, pois cada um iria tender para suas próprias percepções. Por isso, Deus instituiu líderes para conduzir seu povo desde os primórdios da fé. Homens que receberam um chamado específico e foram revestidos de autoridade para cumprir seus ofícios e conduzirem os salvos segundo os princípios das Escrituras.

Claro que muitas ideias e sugestões devem ser levadas em consideração, mas também há o risco de se construir uma instituição antropocêntrica que visa apenas atender o gosto do membro/cliente. O estrondoso número de igrejas evangélicas evidencia essa celeuma. A cada dia surgem novas denominações para satisfazer o desejo de um segmento específico que acredita ser capaz de montar uma comunidade melhor. Muitas dotadas de propostas e nomes inusitados como Igreja Automotiva do Fogo Sagrado; Igreja Batista Incêndio de Bênçãos; Igreja Chave do Éden e Igreja Dekanthalabassi.

A dificuldade de conviver com visões diferentes, as intrigas e rixas entre líderes, as vaidades “espirituais”, a disputa por poder são algumas das causas deste lamentável e descontrolado cenário. Um emaranhado que dificulta até mesmo na definição do que é igreja evangélica brasileira.

É diante deste quadro de confusões teológicas e litúrgicas que a Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) se posiciona como tradicional. Termo, às vezes, usado de maneira pejorativa por alguns, mas que define sua constância e solidez ao lado de tantas outras denominações históricas. No mês de agosto, a IPB celebra seus 154 anos com vigor e disposição para continuar construindo uma história centrada não nos homens e suas vontades, mas na glória de Deus. Com uma liderança aberta para contextualizações e adaptações, mas sempre à luz da Bíblia como instrui a herança reformada.

Uma igreja com grandes investimentos em missões e consciente do quanto seus membros precisam aprimorar na prática evangelística. Uma igreja que prepara com esmero teológico seus obreiros para servirem ao rebanho, mas que também deseja vê-los ajoelhados diante da poderosa mão de Deus. Uma igreja que não negocia a verdade das Escrituras com os modismos e ventos de doutrinas.  Que possui suas diferenças e discordâncias internas, mas sem perder a unidade.  Que têm suas falhas e pecados, mas os vê como males que precisam ser extirpados. Uma igreja que ama Jesus e seus mandamentos e procura honrá-lo acima de todas as coisas.

Pertencem a esta igreja eu, você e mais de 900 mil membros espalhados pelo Brasil. Indivíduos inseridos em contextos e realidades às vezes tão diferentes, mas entrelaçados pelo mesmo amor e fé em nosso Senhor Jesus Cristo, o salvador que a IPB anuncia a mais de um século e meio.

Rev. Alexandre Sena

Share