Pastorais
NAVEGAÇÃO VIRTUAL SEGURA

5 de março de 2020

A prensa tipográfica criada na idade média por Gutenberg promoveu um maior acesso à informação num período em que este recurso era restrito a poucos. No início do século XX, o rádio inaugurou a comunicação de massa e, em seguida, a TV se apresentou como a fascinante fonte de informação e entretenimento.

Pesquisar o conteúdo acima com o celular nas mãos e conectado à rede wi-fi comprova a mais recente revolução da informação. Hoje, todos podem publicar o que pensa, expor nas redes sociais conteúdos com poucos regulamentos ou critérios. Em nenhum outro momento da história, tanto material foi publicado e tanta opinião emitida. Não é possível interagir com todos os temas e a seleção do material ocorre de acordo com o interesse individual.

Diante deste cenário, muitos se tornam expectadores e outros se envolvem com afinco tanto nas publicações como nas discussões. É importante destacar que alguns se distanciam deste universo virtual por entender que os prejuízos são maiores que os benefícios. A impressão é que os humanos estão nas fases iniciais do trato com as redes sociais e um processo de ajustes ainda precisa acontecer.

Os discípulos de Cristo devem seguir as orientações bíblicas para navegar neste oceano de informação. Em primeiro lugar, cuidado com a dependência digital. A nomofobia é a síndrome dos que tem medo de ficar sem o celular (off line). O apóstolo Paulo escreve: “Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.” 1 Co 6.12b. A saúde espiritual depende da disciplina e da eficiência na administração dos acessos virtuais, pois eles não podem dominar a vida do cristão.

Em segundo lugar, siga a orientação de Paulo a Timóteo: “Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes.” (2 Tm 2.14). Quais contendas virtuais, realmente, valem à pena? Muito poucas, por isso, evite confrontos desnecessários e inócuos. Há uma enorme quantidade de palavras sendo ditas e escritas apenas para promover a desordem e o caos.
Em terceiro lugar, o apóstolo Paulo também ensina a evitar os falatórios inúteis (2Tm 2.16). Muitos conteúdos na internet valorizam as vaidades abordadas pelo sábio Salomão e reverberam a futilidade de uma existência que ignora Deus. Não corra atrás do vento, gastando o tempo com futilidades que em nada contribuem para a santificação.

E, por fim, utilize as suas redes sociais, publique textos, fotos e vídeos que seguem os critérios de Filipenses 4.8: Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.” (Fp 4.8). E que todos vejam estes adjetivos nas postagens daqueles que amam e seguem a Cristo!

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share