Pastorais
NOSSA FÉ

7 de novembro de 2014

“Santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” 1 Pe. 3.15

Estamos caminhando para os 500 anos da Reforma Protestante. Em 2017, celebraremos esta data importantíssima para nossa vida como cristãos. Percebemos que o tempo mudou muita coisa. As igrejas mudaram sua arquitetura, dinâmica, música, liturgia e pensamento. Membros e pastores também mudaram ao longo destes quase 500 anos. Apenas uma coisa permaneceu intacta, a Palavra de Deus.

Quando olhamos para a Palavra de Deus, percebemos que ela continua atual, rica, poderosa e desafiadora. Ao ler a Bíblia somos confrontados com realidades modernas, crises contemporâneas e afirmações que por milhares de anos continuam como verdade absoluta.

A Confissão de Fé de Westminster, comentada por A. A. Hodge, ao falar sobre as Escrituras Sagradas, afirma: “Tudo quanto o homem deve crer concernente a Deus, e todo o dever que Deus requer do homem, se acham revelados nelas, visto serem elas a Palavra de Deus. Esta Divina Palavra, portanto, é o único padrão de doutrina que contém autoridade intrínseca que obriga a consciência humana. Não obstante, enquanto que as Escrituras são de Deus, a compreensão delas pertence aos homens”. O problema é que ao longo da história surgem heresias que pervertem as Escrituras “exagerando certos aspectos da verdade e negando outros igualmente essenciais”. E quando vemos isto acontecer percebemos que muitos tentam transformar a verdade de Deus em mentira.

Vivemos uma época onde precisamos conhecer mais as doutrinas fundamentais da fé cristã. Caminhamos para uma luta entre conceitos concebidos nos laboratórios dos pensamentos mais complexos, que visam destruir a verdade de Deus. A mídia, a arte, a filosofia, a cultura e até o entretenimento estão contaminados com este vírus que tenta destruir o valor e a sublimidade da Palavra de Deus, as Escrituras Sagradas. A relativização de valores bíblicos e o risco da polarização de extremos fundamentalistas, nos fazem correr o risco de perder o equilíbrio, com um vento forte, sobre uma ponte estreita por cima de um abismo.

Voltemos nossos olhos para a Bíblia, vamos retornar aos aspectos mais fundamentais de nossa confissão de fé, pois, neste porto seguro as ondas não poderão afundar nossa vida como um barco que se lança ao mar em tempos tenebrosos.

Deus é fiel e não permitira que a tentação seja maior que nossa força para vencer este desafio. Guardemos a nossa fé, firmes, sem vacilar, pois aquele que perseverar até o fim este será salvo (Mateus 10.22).

Que Deus nos abençoe!

Rev Leonardo Sahium

Share