Pastorais
ORE PELA IGREJA PERSEGUIDA

3 de outubro de 2020

“Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus”. Mt 5.10

No último dia 13 de setembro ocorreu o “Domingo da Igreja Perseguida”. Nessa ocasião o alvo das orações se deu em favor de cristãos ex-muçulmanos, que enfrentam constante perseguição religiosa. Mesmo nesse tempo de pandemia em que vivemos, esses nossos irmãos sofrem por simplesmente crerem em Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas, assim como nós.

No site portasabertas.org você pode acessar a lista dos 50 países que mais perseguem os cristãos, mostrando que, em 2020, ainda temos casos de pessoas que pagam, as vezes, com a própria vida, pela causa de Cristo.

Em 10º lugar está a Índia. Quando pensamos nesse país, imaginamos que seja aberto a outras religiões, uma vez ser um país tão sincrético e tão plural, mas não é bem isso que ocorre se você for um cristão. Nesse país, o nacionalismo religioso é o maior motivo para a perseguição dos cristãos. Um exemplo, contado por Marco Cruz do ministério Portas Abertas é o de famílias que, nesse período de pandemia, dependem do governo para sua própria subsistência. Como na Índia ainda ocorre o chamado sistema de “castas”, há sempre um líder comunitário, geralmente em vilas e aldeias, que é, ao mesmo tempo, autoridade política e religiosa. Com isso, quando o governo envia mantimentos para as regiões carentes, esse líder é o responsável por distribuir essa ajuda entre os seus liderados. E quando há uma família, ou mesmo um lar onde alguém seja cristão, esse líder simplesmente não faz chegar a ajuda nessa casa. Isso é muito triste, porque a perseguição aos nossos irmãos nem sempre é aberta, mas ocorre de forma velada.

Atualmente, Coreia do Norte, Afeganistão e Somália são, respectivamente, os primeiros países em perseguição aos cristãos, no mundo. Se na Coréia do Norte o motivo para a perseguição é a opressão comunista e pós-comunista, no Afeganistão e na Somália essa perseguição se dá pelo chamado “antagonismo étnico”. Nele, as comunidades e famílias cristãs são forçadas a aderir padrões estabelecidos por tribos ou grupos étnicos, o que sempre resulta em uma combinação de opressão e violência. O portal portasabertas.org conta a história de Pierre, da República Centro-Africana. O pai dele era um alto sacerdote do deus local, Dakwe, e ele teria o mesmo destino. Porém, tudo mudou após sua esposa conhecer a Cristo.

Orar pela igreja perseguida é orar por nossos irmãos em Cristo. Homens e mulheres que, diferentemente de nós, não tem a liberdade de se reunir para prestar culto a Deus. Irmãos que não possuem livre acesso a bíblia, como nós temos. Com isso, orar pelo discipulado dessas pessoas é igualmente importante, para que o Senhor faça chegar a Sua Palavra nessas aldeias e vilas, tão atingidas pela cultura animistas (em especial no continente africano).

Meu desejo é que você, ao colocar a igreja perseguida em sua oração, não se esqueça que hoje somos livres para prestar culto a Deus, livres para lermos a Escritura Sagrada, livres para acessarmos o ambiente virtual e acompanharmos toda programação de nossa igreja. Isso é benção. É fruto da graça e do amor do Senhor. Valorize isso. Não se deixe engolir pela rotina, pelo cansaço ou mesmo pela “zona de conforto”. Oséias 6.3 nos orienta: “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR”.

Que Deus te sustente, abençoe e guarde sempre.

Rev. Guilherme Jayme Travassos Esperança

Share