Pastorais
SAMBA, FOLIA E REFLEXÃO

31 de janeiro de 2016

Queridos irmãos, não há como negarmos: somos o país do Carnaval! Mais que isso, somos a cidade, o bairro do Carnaval! Ruas fechadas, transito engarrafado, alegria de fachada, um mar de gente para todo o lado. Almas escancaradas à folia exagerada. Hedonismo aloprado, nesta festa cultural, hotéis superlotados, o Rio é o tal! Sujeira para todo o lado, bebedeira é o refrão. Sexo desenfreado é a experiência do folião. Dentro da nossa própria casa, com a mídia em ação, assistimos entorpecidos, uma mulher mostrando nua o seu corpo em devassidão. Banalizando em horário nobre aquilo que Deus santificou, ditando a regra pobre da lascívia do coração. Ao olharmos este quadro somos levados a uma reflexão. Seria o Carnaval apenas um festa, uma mera tradição? Receio que olhando por um outro lado, diria: infelizmente não. O que vejo são corações vazios de significado em busca de um rumo para o existir, porém sem o prumo manifestado, perdidos tateando para não colidir. Uma festa que movimenta a economia, mas que com sua proposta carnal, só leva ao fim do dia, a pessoas para mais perto do mal.

Espero a este ponto, ter capturado sua atenção, pois precisamos reagir diante desse mar de perdição. Não me entenda mal, irmão, não se trata de legalismo, muito menos religião; trata-se de fazer aquilo que convém ao coração. Um coração regenerado que na vida tem direção, por que foi alcançado por tão grande Salvação. Salvação em Jesus Cristo que se entregando por nossos pecados nos permite discernir aquilo para o qual fomos comprados. Uma vida de santidade que repudia a tentação, que busca em Deus sabedoria para transformar sua geração. Somos todos compungidos a experimentar a santificação, sem a qual não nos é conferido experimentar de Deus comunhão. Deus quer de nós uma atitude destemida que não confia no próprio braço, mas nos Seus ensinamentos que levam à vida. Experimentar aquela alegria que não depende da festança, uma experiência única daqueles que em Deus tem sua esperança. Precisamos elevar, nesses dias de confusão, o padrão de vidas santas que não engolem qualquer “refeição”. Assim nos resta tão somente alimentar mais e mais nossa alma da Palavra eminente que opera em nós a Redenção.

Mt 5:13 – “Vós sois o sal da terra”

Que Deus nos ajude.

Rev. Antonio Alvim Dusi Filho

Share