Pastorais
UM NATAL DIFERENTE

11 de dezembro de 2020

A chegada de um filho envolve grande expectativa e uma indizível alegria. Enquanto a gestação ocorre, os pais idealizam, projetam e imaginam como será o nascimento e o desenvolvimento da criança. A realidade envolve um intenso trabalho com mudanças profundas na rotina, no entanto, o amor e o encanto com o novo membro justificam todo o esforço.

A pandemia restringiu a participação presencial dos familiares durante este processo. Um dos primeiros desafios dos pais foi manter o bebê distante da interação com pessoas que o aguardavam ansiosamente. Muitas vovós, por exemplo, que sempre socorreram as mamães de primeira viagem tiveram que prestar os primeiros auxílios, apenas, virtualmente.

A partir de março de 2020, os aspectos que envolvem o nascimento de uma criança foram amplamente alterados. Uma blindagem que impedia o contato de pessoas com fortes vínculos afetivos precisou ser estabelecida para a saúde e proteção de todos. Os protocolos deveriam ser rigorosamente seguidos para que o descendente iniciasse a sua jornada com segurança.

O plano divino para o nascimento de Cristo também teve que cumprir uma série de protocolos, afinal, desde Gênesis 3.15 percebe-se que a chegada do Messias seria num contexto marcado por desconfortos e ameaças. As páginas dos evangelhos apresentam o quanto o nascimento de Cristo estava envolto em tensões.

O recenseamento obrigou a viagem de Maria e José de Nazaré para Belém (Lucas 2.2-4). Os dias da gestação se completaram enquanto eles estavam em trânsito e Jesus nasceu num lugar impróprio (Lucas 2.7). A chegada do Rei de Israel ameaçou o governo de Herodes e, por isso, ele desejou matar o recém-nascido. Ocorreu, então, a fuga de Jesus com os seus pais para o Egito (Mateus 2.13-18).

A pandemia traz para o centro das conversas sociais e familiares o quanto este mundo é ameaçador. Toda tentativa humana de estabelecer estruturas de proteção, segurança e estabilidade sucumbiram com um simples vírus. Os pais dos bebês que nasceram a partir de 2020 estabeleceram limitações, precauções e restrições que manifestavam o cuidado e o amor aos seus filhos diante de um mundo em desordem.

A encarnação do Salvador também foi marcada por limitações, precauções e restrições. O nascimento de Cristo envolvia desconfortos, distanciamentos e preocupações dos pais que tanto amavam o filho. A Bíblia revela que mesmo diante de todas as adversidades, Jesus cresceu, iniciou o próprio ministério e cumpriu a sua missão. A providência, o governo e a soberania divina guiou todos os seus passos neste mundo.

Os dias de instabilidade, insegurança e incertezas nos aproxima do verdadeiro Natal, afinal, estes elementos estavam presentes no nascimento de Cristo. No entanto, o Salvador veio do alto para garantir a todos os que creem que, somente através dEle, é possível encontrar a estabilidade, a segurança e a certeza das suas promessas, mesmo numa época tão ameaçadora. Esse ano, o Natal será diferente! Talvez isso nos ajude a compreender melhor o seu verdadeiro significado!

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share