Pastorais
UMA HISTÓRIA QUE PRECISA CONTINUAR

15 de agosto de 2014

Um jovem teólogo, estudante do Seminário de Princeton nos Estados Unidos, ouve atentamente o sermão do professor Charles Hodge e avalia seriamente a possibilidade de desenvolver o trabalho missionário em terras longínquas. Movido pelo ardente desejo de obedecer ao chamado, Ashbel Green Simonton desembarca no Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1859 com o propósito de falar aos brasileiros acerca do amor de Cristo. Com apenas 26 anos, inicia a plantação da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).

A IPB tem na sua genética teológica e eclesiástica a centralidade na Palavra de Deus, a fé como um presente divino oferecido aos seus filhos, o reconhecimento de que os crentes são alcançados através da graça suprema e irresistível, a confissão de que somente Cristo é o intermediador entre Deus e os homens e, por fim, o propósito de desenvolver na consciência de cada membro a importância de glorificar a Deus tanto no culto solene como em todas as atividades da vida.

Simonton chega ao Brasil com essa formação doutrinária oriunda da Reforma Protestante do século XVI e desenvolve o seu trabalho como um obreiro dedicado e incansável, pronto para servir ao Mestre que tanto ama, disposto a conhecer a realidade deste país e comunicar a poderosa mensagem de libertação em Cristo Jesus. O trabalho prosperou e em seis anos já haviam Igrejas Presbiterianas no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brotas.

Na última semana, dia 12 de agosto, a IPB completou seus 155 anos de existência. Ao observar a história é possível identifica-la como uma igreja sólida, consistente e enraizada na verdade bíblica. Uma igreja que luta para não se contaminar com a religiosidade estéril e também com a sobreposição da cultura aos seus princípios. Mantendo o foco em Cristo, líderes e membros se espalham por todos os cantos do Brasil para celebrar a salvação e cumprir a ordem de anúncio do Evangelho.

Atualmente, a Igreja Presbiteriana do Brasil possui mais de um milhão de membros que se reúnem regularmente para prestar culto ao Senhor Jesus Cristo. É preciso agradecer aos homens e mulheres que contribuíram para que a igreja chegasse até aqui. No entanto, é necessário ter a consciência de que a tarefa não acabou e assim como Deus usou Simonton, Blackford e Schneider (os primeiros pastores) ele também deseja usar você no progresso do seu Reino.

Rev. Alexandre Rodrigues Sena

Share